quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Cordilheira & San Pedro do Atacama!






















Pessoal, ontem foi o grande dia! A subida da Cordilheira dos Andes! Vcs nao tem noçao do que seja isto! Estou em uma LanHouse, em San Pedro do Atacama.
Bem, mas vamos começar do começo, né?! Acordamos cedo em Salta, às 5:30 hs, arrumamos tudo, tomamos o "desayuno" e saímos da cidade às 7 hs da manha. Saimos preparados para pegar frio, com segunda pele, forro nas jaquetas e calças, balaclava no jeito, etc... E realmente estava um friozinho bom, 20 graus, e saimos por um atalho até San Salvador de Jujuy, por El Carmen, uma estradinha para apenas um carro por vez, muito estreita, que atravessa uma mata densa, no meio de uma serra. De Salta até Jujuy por esta estrada sao 90 km. Eu calculo que fizemos no mínimo umas 500 curvas nesta serra, pois a cada 50 metros tinha uma, beirando precipicios e margeando a serra. Tinha muito bicho solto na estrada, bem no meio dela, como vacas, bezerros e cavalos. Nao dava pra passar de 40 km/h, pois de vez em quando vinha carro no sentido contrário, e tinha que jogar pra direita, e por isto demoramos quase 2 horas pra chegar em Jujuy. Mas foi um passeio maravilhoso! Chegando em Jujuy, lá pelas 9 da manha, parei pra tirar umas fotos de montanhas com neve no pico, e tiramos tbm a segunda pele de cima, pois esquentou bastante! Passamos por Jujuy, pegamos à esquerda na RN9, e seguimos, com o objetivo de chegar em Purmamarca, para a primeira abastecida do dia (240 km). Bem, de Jujuy pra frente, começou a esfriar de novo, mas um friozinho gostoso, e começamos a nos embasbacar com a paisagem. Vales maravilhosos, no meio de montanhas enormes, cheios de pequenos riachos do degelo, e fomos tocando. Chegando em um povoado chamado Vulcones, paramos pra comprar mais água, pois tomamos o Diamox pra evitar o mal das alturas, e dá uma sede danada! Dali já começamos a ver que Deus existe mesmo, e fez coisas maravilhosas para nós! As montanhas começaram a mudar de cor! Era amarelo, verde, vermelho, marron, etc... Estávamos chegando perdo de Purmamarca! Paramos várias vezes no caminho pra tirar fotos, pois este era o combinado: fazer uma viagem lenta, parando pra tirar foto, sem pressa de chegar! A estrada maravilhosa, com um asfalto impecável! Chegamos em Purmamarca, para ver o "Cierro de Sete Colores". Vc chega, e parece uma cidade do velho oeste, que nao tem nada pra ver. Engano seu! Entramos na cidade, tiramos algumas fotos do morro colorido (Tem 7 cores mesmo!), e dali avistei uma pracinha e um monte de gente andando, com barracas de artesanato em volta. Fui à pé ver o que era, e resolvemos pegar as motos e ir até ali pra descansar um pouco. Tiramos as jaquetas, pois quando vc anda é frio, mas quando pára, esquenta bastante! Ficamos ali por meia hora, tomamos um café, fomos ao banheiro ("banho"), e resolvemos tocar pra frente. Tiramos várias fotos juntos, e perguntei para umas turistas aonde subiríamos a Cordilheira, e ela disse que depois de Susques. Queria colocar a minha filmadora em cima do baú traseiro, pra filmar a subida. Passamos Purmamarca, e recomeçou o espetáculo de montanhas, cada uma de um jeito, e vi que a estrada estava serpenteando bastante, e estávamos subindo! Já era a Condilheira, e nao deu tempo de colocar filmadora alguma, nem nada! Já eram 13 hs, e tínhamos andado até ali apenas 200 km em 6 horas de viagem! Ainda tínhamos 400 km pra pegar, até San Pedro do Atacama, com a Cordilheira no meio! O tempo começava a nos apertar! Fomos subindo cada vez mais, num asfalto maravilhoso, as lindas montanhas, desenhadas pela erosao de milhares de anos, os vales, algumas casinhas, cactos, muito cactos, enfim uma paisagem fora do comum. Parecia que estávamos em um outro planeta. É uma emoçao indescritível, subir aquilo de moto, sentindo o vento, as curvas gostosas de fazer, e quase sem movimento, apenas um ou outro carro de vez em quando. Notei que começava a me faltar ar, e bem lá em cima, numa curva, tinha um grupo de carros parado, tirando fotos, e alguns nativos vendendo artesanato. Paramos antes, para "tirar a água do joelho", e quando desci, estava bebado! Parecia que tinha bebido umas 3 garrafas de cerveja sozinho! E sentia falta de ar também. Mas nao senti dor alguma. O Diamox segurou legal a dor de cabeça e o mal estar, mas a falta de ar, nao tem jeito! Olhamos e vimos uma placa: 4200 metros acima do nível do mar! Já tínhamos subido a cordilheira, pelo menos uma boa parte dela! Tiramos umas fotos, e continuamos, com destino a Susques, aonde pelo que sabíamos, era o último ponto de abastecimento até San Pedro. Antes de chegar em Susques, chegamos na "Grande Salina", e vc passa dentro dela, na estrada. Paramos, andamos de moto em cima do sal, tiramos várias fotos, fiz um vídeou, e fomos embora. É muito bonito! Devia ser um lago, ou pequeno mar, que secou. Chegamos em Susques (horrível), parece uma favela! Nao deve ter mais do que 500 habitantes. Vc nem chega a entrar na "cidade", pois tem uma placa avisando que o posto é a 5 km adiante. Chegamos no posto, que tem um restaurante ao lado, por sinal muito bom, e lá estavam umas 15 motos paradas. Era o todo o pessoal de SP, mais uns argentinos. Praticamente só moto bigtrail, com exceçao da Goldwing e uma Bandit1250S. Muita VStrom (a maioria), e algumas TDM900. BMW só a minha e a do Gaudencio. Tem outra turma de SP que ficou pra trás em Salta, que tem 2 BMW GS1200. Entramos no estaurante, e apesar do mal estar, falta de ar, etc... Resolvemos almoçar um bife com ovo e "papas" fritas. Abastecemos as motos, num telhadinho ao lado do posto, o frentista pediu adesivos, dei uns pra ele, e lá colei na bomba, o adesivo da viagem e outro da Confraria! No restaurante tambem tinha um vidro cheio de adesivos, e colamos mais dois lá. Comemos, e saímos do posto às 15 hs! Estava com um pouco de medo do tempo, mas tocamos em frente. Começou a fechar o tempo, uma garoa bem fraquinha de vez em quando, e esfriou mais. Parei, peguei a minha luva pra neve, fechei a jaqueta até em cima, coloquei a balaclava, e falei: "Pode vir, frio"! Acho que ele me ouviu, e veio mesmo! As curvas acabaram, e começei a tocar mais forte, a 120/140. O frio aumentou, e devia estar uns 10 graus, quando chegamos em Passo de Jama, na divisa da Argentina com o Chile. Informaçao importante: Tem um posto novinho lá, da YPF, muito bom. Entao acabaram-se os problemas das motos de baixa autonomia, já que este era o ponto mais temido, que todos falavam para tomar cuidado. Eu mesmo tinha comprado um galao em Salta, e estava com ele cheio, no baú, pra qualquer emergência. Mas nao precisei usá-lo. Por falar nisto, a minha moto fez 20 km/litro!! Andamos devagar, mas subimos a cordilheira! Fiquei animado! A aduana Argentina foi muito tranquila, demos saída no passaporte, fizemos a aduana, e fomos embora, pois estava chegando todo mundo, os caras de SP, e nos nao tinhamos reservado hotel em San Pedro. Queria chegar lá antes das 18 hs. Recomeçamos a subir, e batemos a 5000 metros de altitude! E veio uma chuvinha fraca, e o frio muito forte! Olhei no termômetro da moto, e estava marcando 5 graus! Me separei do Gaudencio, que ficou pra trás com o pessoal, e peguei a frente, com outra VStrom atrás, junto com o Hilton, firmes a 120 km/h. Nao dava pra andar mais do que isto! A moto nao ia! Perdemos potencia, devido ao ar rarefeito, e começou a ventar muito, de lado! Tive que reduzir para quarta, e até terceira marcha, para manter a mesma velocidade! O outro cara da VStrom parou e ficou pra trás, por causa do frio, e logo alcancei o outro grupo, de 5 motos, que tinha saido na nossa frente uns 5 minutos. Passei todos, sempre mantendo 120 km/h. O tempo oscilava entre um solzinho fraco, e uma garoa fina, e muito vento. Quando abria o sol, a temperatura subia para 12 graus. Quando começava a garoar, caia para 4 a 5 graus! Liguei o aquecimento da manopla da moto no máximo (como isto é bom!), e continuei a minha tocada "mais forte" com o intuito de chegar na frente na aduana chilena, e também me livrar daquele frio intenso! Mesmo com toda a proteçao que estava vestindo, passei frio nas pernas, no pé, no pescoço e no rosto! Fui subindo, e comecei a ver umas manchas brancas nas montanhas. Era neve! Tinha neve na beira da estrada, e quando olhei de lado, tinha um pico nevado a uns 200 metros da estrada! A estrada, muito boa, estava perfeita, e sem problema de aderencia. Olhei no termometro, e marcava 4 graus. Mas com o vento, a sensaçao térmica devia ser de 0 graus ou até menos! Finalmente comecei a descer! E com a descida, a temperatura começou a aumentar rapidamente, e logo atingiu 20 graus. Isto em coisa de 5 minutos! Parei em uma barreira na estrada, que estava com meia pista, e do lado direito estava o vulcao Licancabur! Lá embaixo já dava pra ver o povoado de San Pedro de Atacama.
Chegamos na aduana em San Pedro às 18 hs, como planejado. Parei a moto, peguei uma pequena fila, preenchi dois formulários (Um de imigraçao, carimbando o passaporte de entrada, e outro da Aduana, aonde eles pedem o documento da moto, e perguntam se vc nao esta carregando fruta, carne, madeira, etc...). Achei rápida, e em uns 20 minutos estava liberado. Logo chegou todo o pessoal de SP, e juntou uns 20 para fazer a aduana também. Deixei o Hilton e o Gaudencio lá, e fui atrás de hotel. San Pedro é quase uma vila, com as estradas de chao batido, muito estreitas, tudo feito de adobe, marrom avermelhado. Tem ruas que nem pode entrar de moto nem de carro. É muito ruim de andar! Fui em uns 4 ou 5 e nada de vaga! Enfim achei um, chamado TACKA TACKA, e já reservei dois quartos. Consegui com muito custo que fizesse a U$ 120,00 os dois quartos, em um hotel muito ruim, mas até que os quartos eram bons, novos, mas estava sem água no momento! Voltei pra achar o Gaudencio e o Hilton, e cadê? Perdi os companheiros! Fui na aduana, rodei pela cidade por meia hora, e nada. Voltei pro hotel, e la encontrei um dos grupos de SP, que tbm nao tinham reservado hotel, e iam ficar lá tbm. Descarreguei a moto, deixei as coisas no quarto, e fui atrás dos companheiros novamente. Já estava escuro, e nada achei. Voltei pro hotel, e lá estava chegando o Hilton! Dei graças aDeus! Mas o Gaudencio tinha sumido, e acabamos dormindo lá só eu e o Hilton. O Gaudencio estava muito cansado, e dormiu em outro hotel. Tomamos um banho, e saímos para jantar. Jantamos no "La Estaka" e pagamos tipo uns R$ 40,00 cada um por um bom prato. Eu comi salmao e o Hilton, reclamando, comeu um Crepe! Tínhamos ido jantar em um dos restaurantes mais caros de San Pedro, e nao sabíamos! Mas td bem! Jantamos e fomos dormir. A única rua movimentada da cidade, chamada Caracoles, tem um monte de barzinho, restaurante, lojinhas, lanhouses, etc... Músicos tocando ao vivo na rua, gente andando, e bastante movimento. Acordamos tarde, là pelas 8 da manha, tomamos o "desayuno" no hotel, e fomos atrás do Tio Gaudencio. Andamos de moto uns 5 minutos e já o encontramos na rua, andando a pé. Foi aquela festa, e todos ficaram alegres! Dali pegamos fomos para o hotel dele, pra conhecer, e resolvemos nos mudar para lá tbm, pois era bem mais barato, além no nosso nao ter água pela manha! Só tinha água à noite, mas quando acordamos, nao tinha agua nem pra escovar os dentes. Tive que escovar com agua mineral! Pegamos as coisas, levamos para o hotel do Gaudencio, e fomos de moto até Toconao, a 37 km daqui, pra conhecer um tal de "Vale de Jerez". No caminho, pudemos ver o Licancabur, o vulcao que fica ao lado de San Pedro, imponente, a quase 6000 mts de altitude, e tiramos algumas fotos. Fomos atá o vale de Jerez, que é um Oasis no meio do deserto, tiramos foto e voltamos pra almoçar em San Pedro, pois já eram 15 hs! Mas o Hilton, nao quis ir até o vale e tinha voltado só para San Pedro. Eu e o Gaudencio almoçamos, desta vez bem mais barato (R$ 12,00 cada um), e saímos andando pela cidade, pra ver internet, e conhecer a cidade melhor. Enfim, consegui tempo pra abastecer o blog, fui na igreja, e agora vamos ao Vale de La Luna, ver o por do sol. Amanha conto o resto! Abraços a todos, e obrigado pelos comentários. Todo o pessoal da Zoomix, Izadora, Luiza, Joao Pedro e Marquinhos, lembranças a todos! Continuem acompanhando! A viagem nem chegou no meio, e eu já nem tenho memória pra lembrar de tudo! Ainda bem que tem o blog! Amanha saimos cedo para Antofagasta, a 300 km daqui, na beira do oceano pacífico, e vamos dormir por lá. Até amanha!
Fotos:
-Na estradinha no meio da serra, entre Salta e Jujuy;
-Na estrada perto de Purmamarca, ao fundo um morro colorido;
-No centro de Purmamarca, ao fundo o "Cierro de Siete Colores";
-Na grande Salina, perto de Susques. Olhem o que está escrito no papel!
-No restaurante "El Chico", depois de Susques, aonde almoçamos, a 4 mil metros de altitude!
-A Aduana em Passo de Jama, divisa da Argentina e Chile.

7 comentários:

  1. a cirurgia do Marcos ocorreu tudo bem, foi um pouco complicada, porem ele está bem. já estamos em casa, infelismente, não vai dar para irmos a Jan Lepan. Sua mãe já está em casa, está tudo bem com ela. Estamos com saudades, beijos, te amo.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns CONFRADES, continuem a nos fazer babar de inveja por não poder estar juntos aí; sigam em frente com DEUS abrindo vossos caminhos e vossos olhos para as belezas que ele criou pra todos nós.
    Um forte abraço à vcs tres.
    JARDIM.

    ResponderExcluir
  3. Oi Marcio!!!
    Que bom que correu tudo bem na viagem, tire bastante fotos, por aqui tudo bem graças a Deus, bastante pedidos, não se esqueça de fazer oração antes de seguir viagem, que Deus te abençoe sempre.

    ResponderExcluir
  4. Tire muitas fotos :D a proveite bastante. beijos

    ResponderExcluir
  5. Deve ser barato o sal branco ai,né?rs.. Boa viagem e aproveite bastante,abraço,niba.

    ResponderExcluir
  6. Tinho que bom que voce está curtindo muito a viajem o seu blog está legal, mas coloque mais fotos, e escreva menos.hahaha, Didiá.

    ResponderExcluir
  7. Caros Confrades estamos babando aqui com a viagem de vcs estou acompanhado todos passos de vcs.Uma unica pergunta da pra ir de moto custom?


    Turtle bundão...

    ResponderExcluir

Olá! Faça aqui o seu comentário!

Quem sou eu

Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brazil
49 anos, casado, zootecnista, empresário e motociclista.