segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Viagem Norte e Nordeste: Osmar Moura & amigos!

Relato de viagem organizada pelo amigo Osmar Moura, que acompanhado dos amigos Casagrande, Ribas e Rey, rodaram pelo Nordeste e Norte do Brasil, de 21/julho a 03/agosto/2013. O relato é do próprio Osmar:

"Marcio, nosso roteiro foi:
1° dia Campo Grande a Goiânia-GO, 2° dia Goiânia a Barreiras-BA, 3° dia Barreiras a Floriano-PI, todos trechos acima de 800km. No 4° dia fomos até Picos-PI, minha cidade natal. Foram somente 200 km, e ali foi aonde revi alguns parentes, que admiraram muito a nossa coragem em realizar esta viagem de moto!
No 5° dia fomos até a capital Teresina-PI, somente 310 km, aonde pudemos comemorar nossa grande viagem, com os parentes que estavam esperando. No 6° dia mais 450 km até São Luis-MA. Lá ficamos 2 dias para descansar, sem pegar nas motos. Curtimos as belas praias e os barzinhos agitados na orla da lagoa.
No 8° dia fomos em direção a Salinas-PA. Neste dia pegamos em quase todo o trajeto muita chuva! Nesta região do Maranhão e Pará chove quase todos os dias. Foram mais de 500 km. Encurtamos um pouco o trecho pois pegamos o ferry-boat.
No 9° dia em Salinas, pudemos apreciar um excelente balneário, nas águas quentes do norte. Neste mesmo dia tinha uma frente fria no sul com temperaturas abaixo de zero! Pudemos andar com as motos na areia da praia com a maré baixa, foi muito legal!
Mais um dia, o décimo, fomos em direção a Belém e pegamos mais chuva! Chegamos no  horário de pico, final do dia, o trânsito pesado, acabei me perdendo dos demais! Depois de uma hora encontrei os outros já no hotel todos limpinhos e enxutos. Em Belém, fomos visitar a empresa do Casão e o mercado Ver o Peso. Bem, agora era a hora de voltarmos!
Partimos em direção a Imperatriz-MA, e no 11° dia, pegamos a Belém -Brasilia, rodovia com trânsito pesado e muitos caminhões.
No 12° dia já estávamos em Palmas-TO. É uma bela cidade, toda planejada, onde mora meu irmão Erasmo. Neste dia, estava acontecendo nada mais do que a chegada do Rally dos Sertões! A toda hora chegava um integrante de carro, moto, quadriciclo etc. Rodaram no jalapão o dia inteiro no areião!
No 13° dia, rodamos 900 km, até Rio verde-GO. Nos hospedamos no mesmo hotel dos antigos encontros de moto, quando tinha!
No 14° dia mais 700 km até a nossa casa, Campo Grande. Saímos cedo, quando ainda estava escuro, com temperatura de 9 graus. Foi o único dia que colocamos o forro na jaqueta! Mas logo o sol brilhou e a temperatura subiu rapidamente, chegamos em Campo Grande já era quase meio dia. Vários amigos da CONFRARIA DA MOTOCICLETA estavam lá no posto da Afonso Pena nos esperando, foi legal! No total, rodamos 7.180 km,  por 7 estados.
Segue abaixo algumas fotos.
Realmente vale a pena conhecer o nosso Brasil e seu  gigantismo, e melhor ainda se for de moto, com os amigos!
Abraços e até a próxima viagem!"











domingo, 4 de agosto de 2013

Rumo ao frio: serras de SP, PR e SC!

Desta vez fiz um roteiro passando novamente pela serra da Serpente, na BR-476, entre Capão Bonito/SP e Bocaiúva do Sul/PR. Esta serra é muito gostosa de fazer, com muitas curvas. Já tinha passado ali em outubro/2011, maio/2013 e agora tinha que colocar no roteiro, pois alguns amigos ainda não conheciam. Mas sempre é um prazer passar ali.
Para completar, coloquei no roteiro a serra do Corvo Branco e a boa e velha conhecida serra do Rio do Rastro, uma das mais belas estradas do Brasil.
Tinha desenhado este roteiro em junho, e logo juntou uma meia dúzia de loucos pra fazer junto. O problema é que São Pedro resolveu fazer a sua graça, e justo na semana da viagem, fez um dos maiores frios dos últimos 10 anos na região, inclusive aqui no MS, com direito a duas geadas!
Como quem viaja de moto não tem medo de chuva e nem de frio, a turma se manteve firme, mesmo correndo por fora algumas apostas de quem iria arregar, é claro! Mas a maioria do grupo se manteve. Alguns desistiram (Renan alegou trabalho e Maninho que a moto tava falhando), e como multa terão que pagar um almoço para o grupo... Estamos esperando.
Ficamos eu, Padilha, Marcel, Maluf, Maninho e Gaudêncio. Combinamos a saída na quarta, dia 24/julho, 6:30 hs, com a primeira parada em Nova Alvorada do Sul. O negócio tava punk, com o termômetro da moto marcando 6 graus na saída! Em Nova Alvorada, o Maninho disse que a moto estava falhando e a luz do ABS acendendo, e retornou pra casa.
Conforme fomos rodando, a temperatura foi aumentando, chegando ao meio dia a "confortáveis" 15 graus. O objetivo deste primeiro dia era Capão Bonito, porta de entrada da serra da serpente. Após rodarmos 900 km, chegando lá, pegamos uma leve garoa e neblina, e a temperatura novamente caiu para 6 - 7 graus. Hotel já reservado (Hotel Baguassú, R$ 150,00/quarto duplo), uma boa janta, a conversa animada, compensa o cansaço!
Depois de um sono reparador, no outro dia saímos para fazer a serra. Tinha feito 3 graus negativos em Apiaí à noite! Rodamos os 100 km até Apiaí, para a já tradicional foto na placa, e tbm abastecer as motos. Neste trecho já começa a serra, e tem bastante curvas, é um tipo de um treino para o que vem na frente. No posto de gasolina aconteceu um fato curioso, que acontece muito em viagens. Um dos amigos, o "tio" Gaudêncio, tem uma moto street (Kawasaki Z1000 carenada), e não é muito chegado em fazer off-road de espécie alguma, além da moto dele não ser a mais indicada pra isto. Enquanto abastecia, o frentista do posto disse a ele que os 30 km até a divisa com o Paraná estava intransitável, com partes de terra e barro que era um sabão! O hômi fechou a cara e falou em dar a volta e abortar a serra. Precisamos conversar muito para convencê-lo a ir. Falei com o dono do posto, que me disse que não tinha nada disto, que estava passando sim. Fomos, e não tinha um metro sequer de terra e nem de barro! Isto nos lembra a máxima de que nem sempre devemos ouvir os conselhos dos pessimistas, se quisermos alcançar os nossos objetivos!
Seguimos, com o tempo emburrado, mas após a divisa com o Paraná, o asfalto estava seco, e foi muito bom pra fazer as curvas! Curva após curva, fomos conquistando aquela serra, cada vez mais animados, mas sempre com respeito e sem abusar. Valeu a pena!


Em Bocaiúva do Sul, paramos para abastecer, e resolvemos almoçar ali mesmo, em um restaurante bem simples. Foi bom, pois começou a garoar. Colocamos as capas, toda a parafernália, ficamos mais gordos ainda, difícil até pra montar nas motos! Passamos por Curitiba sob uma leve garoa e temperatura de 10 graus.
Seguimos pela BR-101, sempre ao sul, com destino a Florianópolis. Após Joinville, o tempo começou a melhorar, e abrir, e a temperatura subiu. Chegamos em Floripa já escuro, tinha feito reserva no Ibis de São José, e às 18 hs vencia. Deu pra chegar a tempo. À noite fomos jantar no shopping ali atrás, à pé mesmo, pois é pertinho.
No outro dia, o grande dia, o tempo amanheceu limpo e maravilhoso! Deus é grande, pensei! A temperatura um friozinho agradável, claro que todos com segunda pele ainda e forro nas jaquetas, mas nada que se compare ao primeiro dia da viagem. Subi pela BR-282, rumo a Urubici, passando por Rancho Queimado e Bom Retiro. Que rodovia linda! Curvas de alta, um asfalto impecável, aquele trecho foi demais!
Chegamos em Urubici às 10 hs. O Gaudêncio não quiz fazer a Corvo Branco, deixamos ele nos esperando em um posto da cidade, e fomos conhecer a tal serra. Andamos cerca de 30 km sentido Grão Pará, o asfalto acaba, sobe-se por uma estradinha de terra batida e cascalho, até o início da serra. Demos de cara com o famoso paredão, dizem que foi feito à mão, de 90 metros de altura. Paramos para as fotos, estava cheio de gente ali.


Uma parte é asfaltada, creio que a parte mais difícil e perigosa, na época das chuvas. O restante - a maior parte - é de terra, uma estradinha estreita, e tem que andar devagar. Tranquilos, fomos descendo, até chegarmos no início das obras de pavimentação que estão vindo de Grão Pará. Novamente tiramos algumas fotos, e retornamos para subir a serra novamente e almoçarmos em Urubici, aonde o Gaudencio nos aguardava.
Resolvemos só fazer um lanche no posto mesmo, pois ainda tínhamos que rodar 1 hora até chegarmos na outra serra, o nosso maior objetivo. Na verdade o meu maior objetivo era a Corvo Branco, mas a Rio do Rastro sempre é um belo reencontro, seja lá quantas vezes for.
Chegamos no mirante, bem cheio, tiramos algumas fotos e já iniciamos a descida. Logo no início, nas primeiras curvas, o frio tinha congelado a água que desce, formando uma imagem muito bonita. Isto foi devido ao frio que tinha feito há 2 dias atrás, na quarta. Descemos toda a serra, e depois retornamos, subindo. Não tinha neblina nem qualquer ameaça de chuva. Tempo ótimo!







Depois da subida, descansamos mais um pouco ali no mirante, e saímos rumo a São Joaquim. Dormimos lá, para iniciarmos o retorno pelo interior de SC, via Lages - Xanxerê - Pato Branco - Cascavel. No domingo, chegamos em casa, após 3.250 km rodados em 5 dias, sem dia de descanso. Viagem que surpreendeu e superou as expectativas!
Obrigado pela ótima companhia dos amigos Padilha, Marcel, Maluf e Gaudencio!
Abraços!

Quem sou eu

Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brazil
49 anos, casado, zootecnista, empresário e motociclista.