domingo, 4 de agosto de 2013

Rumo ao frio: serras de SP, PR e SC!

Desta vez fiz um roteiro passando novamente pela serra da Serpente, na BR-476, entre Capão Bonito/SP e Bocaiúva do Sul/PR. Esta serra é muito gostosa de fazer, com muitas curvas. Já tinha passado ali em outubro/2011, maio/2013 e agora tinha que colocar no roteiro, pois alguns amigos ainda não conheciam. Mas sempre é um prazer passar ali.
Para completar, coloquei no roteiro a serra do Corvo Branco e a boa e velha conhecida serra do Rio do Rastro, uma das mais belas estradas do Brasil.
Tinha desenhado este roteiro em junho, e logo juntou uma meia dúzia de loucos pra fazer junto. O problema é que São Pedro resolveu fazer a sua graça, e justo na semana da viagem, fez um dos maiores frios dos últimos 10 anos na região, inclusive aqui no MS, com direito a duas geadas!
Como quem viaja de moto não tem medo de chuva e nem de frio, a turma se manteve firme, mesmo correndo por fora algumas apostas de quem iria arregar, é claro! Mas a maioria do grupo se manteve. Alguns desistiram (Renan alegou trabalho e Maninho que a moto tava falhando), e como multa terão que pagar um almoço para o grupo... Estamos esperando.
Ficamos eu, Padilha, Marcel, Maluf, Maninho e Gaudêncio. Combinamos a saída na quarta, dia 24/julho, 6:30 hs, com a primeira parada em Nova Alvorada do Sul. O negócio tava punk, com o termômetro da moto marcando 6 graus na saída! Em Nova Alvorada, o Maninho disse que a moto estava falhando e a luz do ABS acendendo, e retornou pra casa.
Conforme fomos rodando, a temperatura foi aumentando, chegando ao meio dia a "confortáveis" 15 graus. O objetivo deste primeiro dia era Capão Bonito, porta de entrada da serra da serpente. Após rodarmos 900 km, chegando lá, pegamos uma leve garoa e neblina, e a temperatura novamente caiu para 6 - 7 graus. Hotel já reservado (Hotel Baguassú, R$ 150,00/quarto duplo), uma boa janta, a conversa animada, compensa o cansaço!
Depois de um sono reparador, no outro dia saímos para fazer a serra. Tinha feito 3 graus negativos em Apiaí à noite! Rodamos os 100 km até Apiaí, para a já tradicional foto na placa, e tbm abastecer as motos. Neste trecho já começa a serra, e tem bastante curvas, é um tipo de um treino para o que vem na frente. No posto de gasolina aconteceu um fato curioso, que acontece muito em viagens. Um dos amigos, o "tio" Gaudêncio, tem uma moto street (Kawasaki Z1000 carenada), e não é muito chegado em fazer off-road de espécie alguma, além da moto dele não ser a mais indicada pra isto. Enquanto abastecia, o frentista do posto disse a ele que os 30 km até a divisa com o Paraná estava intransitável, com partes de terra e barro que era um sabão! O hômi fechou a cara e falou em dar a volta e abortar a serra. Precisamos conversar muito para convencê-lo a ir. Falei com o dono do posto, que me disse que não tinha nada disto, que estava passando sim. Fomos, e não tinha um metro sequer de terra e nem de barro! Isto nos lembra a máxima de que nem sempre devemos ouvir os conselhos dos pessimistas, se quisermos alcançar os nossos objetivos!
Seguimos, com o tempo emburrado, mas após a divisa com o Paraná, o asfalto estava seco, e foi muito bom pra fazer as curvas! Curva após curva, fomos conquistando aquela serra, cada vez mais animados, mas sempre com respeito e sem abusar. Valeu a pena!


Em Bocaiúva do Sul, paramos para abastecer, e resolvemos almoçar ali mesmo, em um restaurante bem simples. Foi bom, pois começou a garoar. Colocamos as capas, toda a parafernália, ficamos mais gordos ainda, difícil até pra montar nas motos! Passamos por Curitiba sob uma leve garoa e temperatura de 10 graus.
Seguimos pela BR-101, sempre ao sul, com destino a Florianópolis. Após Joinville, o tempo começou a melhorar, e abrir, e a temperatura subiu. Chegamos em Floripa já escuro, tinha feito reserva no Ibis de São José, e às 18 hs vencia. Deu pra chegar a tempo. À noite fomos jantar no shopping ali atrás, à pé mesmo, pois é pertinho.
No outro dia, o grande dia, o tempo amanheceu limpo e maravilhoso! Deus é grande, pensei! A temperatura um friozinho agradável, claro que todos com segunda pele ainda e forro nas jaquetas, mas nada que se compare ao primeiro dia da viagem. Subi pela BR-282, rumo a Urubici, passando por Rancho Queimado e Bom Retiro. Que rodovia linda! Curvas de alta, um asfalto impecável, aquele trecho foi demais!
Chegamos em Urubici às 10 hs. O Gaudêncio não quiz fazer a Corvo Branco, deixamos ele nos esperando em um posto da cidade, e fomos conhecer a tal serra. Andamos cerca de 30 km sentido Grão Pará, o asfalto acaba, sobe-se por uma estradinha de terra batida e cascalho, até o início da serra. Demos de cara com o famoso paredão, dizem que foi feito à mão, de 90 metros de altura. Paramos para as fotos, estava cheio de gente ali.


Uma parte é asfaltada, creio que a parte mais difícil e perigosa, na época das chuvas. O restante - a maior parte - é de terra, uma estradinha estreita, e tem que andar devagar. Tranquilos, fomos descendo, até chegarmos no início das obras de pavimentação que estão vindo de Grão Pará. Novamente tiramos algumas fotos, e retornamos para subir a serra novamente e almoçarmos em Urubici, aonde o Gaudencio nos aguardava.
Resolvemos só fazer um lanche no posto mesmo, pois ainda tínhamos que rodar 1 hora até chegarmos na outra serra, o nosso maior objetivo. Na verdade o meu maior objetivo era a Corvo Branco, mas a Rio do Rastro sempre é um belo reencontro, seja lá quantas vezes for.
Chegamos no mirante, bem cheio, tiramos algumas fotos e já iniciamos a descida. Logo no início, nas primeiras curvas, o frio tinha congelado a água que desce, formando uma imagem muito bonita. Isto foi devido ao frio que tinha feito há 2 dias atrás, na quarta. Descemos toda a serra, e depois retornamos, subindo. Não tinha neblina nem qualquer ameaça de chuva. Tempo ótimo!







Depois da subida, descansamos mais um pouco ali no mirante, e saímos rumo a São Joaquim. Dormimos lá, para iniciarmos o retorno pelo interior de SC, via Lages - Xanxerê - Pato Branco - Cascavel. No domingo, chegamos em casa, após 3.250 km rodados em 5 dias, sem dia de descanso. Viagem que surpreendeu e superou as expectativas!
Obrigado pela ótima companhia dos amigos Padilha, Marcel, Maluf e Gaudencio!
Abraços!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Faça aqui o seu comentário!

Quem sou eu

Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brazil
49 anos, casado, zootecnista, empresário e motociclista.