sexta-feira, 4 de março de 2011

Considerações Finais & Dicas

Acho que todo bom motociclista que goste de viagens longas, sonha em ir até Ushuaia um dia. Aquela região, devido à sua posição geográfica, se tornou uma das Mecas do motociclismo de longas viagens, não só no Brasil, mas no mundo todo. Vi pessoas de todas as nacionalidades, realizando o seu sonho de chegar pilotando a sua moto ao local mais ao sul do planeta em que vivemos. Alguns até vindo do Alaska...
Assim, nada melhor e mais justo do que eu tentar passar algumas informações, para os futuros viajantes, que desejam um dia chegar até lá.
É importante dizer, que o primeiro passo - pelo menos pra mim foi assim - é vc querer MUITO fazer esta viagem. Digo isto, porque pra mim virou quase que uma obsessão. Eu queria muito mesmo ir, e ainda assim cheguei a pensar em desistir algumas vezes...
Depois de vc colocar isto na cabeça, QUERER REALMENTE MUITO IR PRA LÁ, e virar quase que uma obsessão, tem a fase do planejamento, cálculo dos custos, e a escolha dos parceiros de viagem.
Parceiros: O melhor parceiro é aquele doido igual à vc, que tbm quer muito ir, custe o que custar... De preferência a aquele amigo, que tem os gostos parecidos, que vc já fez uma longa viagem antes, que já conhece bem, pois senão o negócio pode virar briga no meio da viagem! Já vi casos de amizades rompidas, por desavenças em longas viagens de moto. Combine tudo antes, desde a tocada, velocidade média que vcs irão andar, tempo de parada em posto (tem gente que enrola e fica mais de hora em posto,  quando o correto é abastecer, banheiro, lanche, água, café, cigarro e volta pra estrada, tudo isto de 15  a 30 minutos no máximo), se o cara ronca ou não, se gosta de sair à noite e tomar umas (senão não acorda cedo no outro dia, para aquele trecho de 1.200 km...). Outra coisa importante: combinem antes qual o padrão médio de hotel, restaurante, etc... ou seja, o quanto estão dispostos a pagar.
Preparo do Piloto: eu estou acima do peso ideal, e tenho problemas de coluna (lordose, listese, escoliose, fraturas, etc...). Tenho 1,82 mts e peso 106 kg. Uns 6 meses antes da viagem, me matriculei em uma academia, e comecei a fazer Pilates. Em um certo momento, acho que isto tudo foi muito bom, mas faltando 1 semana para sair de viagem, antes do natal, começaram as festas, e me perdi um pouco, com excessos. Faltando 3 dias para sair, a coluna me pegou, travei, e quase que não fui mais... Me mediquei, e graças a Deus tudo deu certo, mas a tensão nos primeiros dias foi muito grande! Assim, acho que se vc se preparar, estar no peso ideal, pelo menos dar umas caminhadas diárias, já ajuda muito. Dores são inevitáveis, mais ainda nos dias de tocadas longas, acima de 800 km. Senti dores no punho direito, e na perna esquerda, por causa da aceleração e da mudança de marchas. Mas depois foi acostumando. O Nelson não se preparou em nada, não entrou em academia nem nada, e deu tudo certo. Mas tbm sentiu dores. Assaduras tbm acontecem. Quanto à dor na bunda, eu usei a almofada AirHawk sobre o banco da moto, e acho que ajudou muito. O Capitinga comprou um pelego (pele de carneiro), em El Calafate, e disse que melhorou muito a maciez do banco. Enfim, cada um faz do seu jeito, e vai se acertando com a moto.
Moto: Qualquer moto vai pra Ushuaia, já ouvi falar de gente que foi até de Biz... Tudo bem, mas pra mim a melhor moto é uma do estilo BigTrail, devido ao fato de ainda haver trechos de terra (rípio), e este tipo de moto encarar qualquer terreno numa boa. É de bom censo e ajuda muito tbm os companheiros de viagem irem com motos parecidas, pelo menos na potência. GS com VStrom, XT com GS650, Bandit com Hornet, por exemplo. Dá pra ir moto diferente, mas tem que ter muita paciência por parte de alguns. Se for uma Falcon no meio de um grupo de GS1200 por exemplo, vai ter hora que o grupo vai querer dar uma esticada a 140-160 km/h e a Falcon não vai acompanhar... Tudo bem, desde que os parceiros aceitem. Ah, mas então moto Custon não vai? Vai, mas vai sofrer mais... No entanto, acho que o conselho mais importante a respeito da sua moto, depois de escolhida, é sair daqui com ela totalmente revisada. Dá um reaperto geral, coloca um jogo de pneus novos em folha (os dois, e nada de pneu "meia vida", pra comprar outro novo por lá, pois vc nunca vai achar o pneu certo pra sua moto!). Se for o caso, troca até a bateria da moto, se ela já tiver mais de 2 anos de uso, pois no frio é comum acabar a bateria. Eu troquei a da minha moto! E acho que se não tivesse feito isto, teria ficado na estrada um dia lá no meio do nada, em Cerro Sombrero, no retorno, a uma temperatura de 5 graus centígrados!
Equipamento: vc pode simplesmente montar na sua moto e sair rodando, sem muito planejamento, com um cartão de crédito e um bom limite, ao estilo "Easy Rider"... Mas eu não aconselho fazer isto, ainda mais em uma viagem de quase 30 dias e mais de 12 mil km! Um pneu furado, um retrovisor frouxo, uma corrente arrebentada, chuva e frio, um tombo, etc... Podem estragar um dia ou até comprometer de vez a sua tão sonhada viagem. O maior erro, e que eu sempre caio tbm é o excesso de bagagem e de peso. Seja por medo ou por ansiedade, levo itens em excesso. Nesta última viagem mesmo, levei roupa demais, que foi passear e voltou sem usar! Peças de reposição que nem usei, casacos, etc... Dava pra reduzir bastante, principalmente nas roupas. Quanto aos equipamentos mais importantes, para a moto: coloque protetores, muitos protetores. Para uma eventual deitada em um posto de gasolina, uma pedrinha que pode quebrar o seu farol, ou uma pedra grande que pode furar o cárter da sua moto (aconteceu nesta viagem com um conhecido!). De resto, quem quiser, pode colocar uma bolha mais alta ou um defletor, aquecedor de manopla usei muito, mala de tanque é essencial, leve um ou dois cadeados daqueles de bicicleta para amarrar a bagagem ou o capacete em uma parada, um kit para reparo de pneu furado, daqueles tipo macarrão, etc... Tenho uma lista imensa, quem quiser deixe uma mensagem aqui com o email que mando.
Equipamentos pessoais, vá preparado para MUITO FRIO, e para chuva. E tbm chuva e frio juntos. Eu tive sorte e só peguei chuva na volta, perto de Buenos Aires, e chegou a 16 graus. Mas teve gente que conhecemos lá, e pegou chuva já perto de Ushuaia, com temperatura de 5 graus ou menos, e quase congelou! O problema maior é o vento, que é muito forte e incomoda. Aí, tem que usar balaclava da boa, protetor de pescoço, segunda pele, roupa de cordura com forro térmico, e ainda uma capa de chuva por cima disto tudo, se for chover. Vc fica parecendo um astronauta indo pra lua, de tanta roupa! Mas depois vai acostumando.
Roteiro: Defina o seu roteiro antes, bem antes, com as quilometragens que vai rodar por dia, as cidades que irá dormir, os pontos de descanso, as atrações turísticas, etc... Fiz tudo isto antes, e saí daqui com isto na minha cabeça. Levei o GPS, e ele me guiou o tempo todo, mas se o perdesse, saberia fazer sozinho. O GPS ajuda muito nas grandes cidades, e muitas vezes quando vc tem dúvidas. Mas de nada adianta se não estiver com um bom mapa, atualizado. Nesta viagem usei muito o GPS, foi fundamental.
Vou passar uma dica do roteiro da Carretera Austral entrando por Futaleufu, pois da Ruta40 já deixei em postagens anteriores:
-Saindo de Bariloche, desça pela Ruta40 até Esquel, passando por El Bolson. São cerca de 300 km. Dali siga para Trevellin (+25 km). Passando Trevellin, começa o rípio, são 35 km até a aduana da Argentina. Um quilômetro à frente já é a aduana chilena. Já no Chile, tem asfalto até Futaleufu, uns 10 km, e depois começa o rípio pra valer. Acho que andamos uns 40 ou 50 km, e chegamos na ruta07, enfim a Carretera Austral. Pegamos à esquerda, rumo ao sul, e andamos mais uns 100 a 120 km até La Junta, aonde pernoitamos. Tudo rípio. É um rípio bom, e dá pra andar a 60-80 km/h ou até mais nas retas. O problema são as curvas, tem pedras soltas, um perigo. Muito cuidado com o rípio, pois é traiçoeiro, e quando vc menos espera pode cair. Em relação à quilometragem, dá tranquilo pra sair de Bariloche e dormir em La Junta no mesmo dia, se sair cedo, até 8-9 hs da manhã, e não ficar enrolando nas paradas. No outro dia andamos mais uns 100 km de rípio, e começa o asfalto novamente. Na verdade é uma estrada de concreto. Até Coihaique, é uma estrada muito bonita, com muitas curvas, e tem umas partes pequenas de rípio intercaladas com pavimento, eu não sei o porque. Após Coihaique, uns 100 km, vc pode entrar à esquerda para Eng. Ibañez e pegar a balsa até Chile Chico, ou dar a volta no lago Gen. Carrera, que é bem mais interessante e bonito. Nesta viagem resolvemos pegar a balsa, pois estávamos com pouco tempo, e não sabíamos como estava a estrada para dar a volta ao lago. A balsa faz uma travessia ao dia, geralmente às 18:50 hs, e demora 2 horas e meia para chegar em Chile Chico. Um amigo daqui de Campo Grande deu a volta no lago, e disse que é maravilhoso, vale a pena, as paisagens são muito bonitas. Se vc quiser fazer TODA a Carretera Austral, pode seguir até Villa O'Higgins, aonde a estrada acaba. Só que vai ter que voltar, pois dali não dá pra continuar mais. De Chile Chico, entra-se na Argentina em Los Antiguos.
Finalizando: No mais, é encarar o trecho e ir seguindo (keep going), que vc chega lá! Uma grande viagem é como se vc fizesse várias pequenas viagens todos os dias. Eu dividi a viagem a Ushuaia em etapas, até para dividir a bagagem e preparar as roupas, sem precisar ficar abrindo todas as malas todos os dias. E deu certo. Já sabia aonde seria o próximo ponto de parada e descanso, e já preparava tudo pra isto, geralmente a cada 4 ou 5 dias. Acho importante lembrar que moto é um veículo muito mais perigoso do que carro, com certeza, e por isso a pilotagem tem que ser com maior concentração e muita atenção, principalmente quanto ao comportamento dos outros motoristas, ou seja, a tal da pilotagem defensiva. Muito cuidado em trevos, rotatórias, saídas de postos, entradas e saídas de pedágios e de grandes cidades. É um segundo de bobeira e lá se foi a sua viagem! Alguns amigos simplesmente abortaram a sua viagem, por uma parada no acostamento, na hora e no local errado, entre Buenos Aires e Bahia Blanca. O acostamento ali é de grama, em um solo argiloso, e quando chove é um sabão! Se parar ali na chuva, é tombo! Então, procure saber destes detalhes antes de fazer a viagem, leia blogs, fuçe na internet, fale com quem já foi antes, que vc se previne destas situações. Não conte só com a sorte, vá preparado para o pior, aí se tudo correr bem, vc está no lucro! Nesta viagem, havia um grande número de familiares e amigos nos acompanhando, torcendo por nós, rezando e pedindo a ajuda Dele. Acho que deu certo, pois tivemos muita sorte, em tudo, foi até impressionante. Mas nem sempre é assim! Mas o mais importante é curtir a viagem!
Um grande abraço a todos, e até a próxima aventura!

Quem sou eu

Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brazil
49 anos, casado, zootecnista, empresário e motociclista.