sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Bariloche... Sem palavras... Vc tem que vir aqui! Feliz Ano Novo!

Cordeiro Patagônico
Ontem à noite...




No Cerro Catedral




Fizemos uns 30 km de rípio, lugar maravilhoso, para treinar!

Subimos o Cerro Otto de moto!


Olha o tamanho do lanchinho...


Teleférico no Cerro Otto, aonde almoçamos hoje. Subimos de moto!
Hoje saímos do hotel às 10 hs da manhã, para andar pela região de Bariloche, com o nosso amigo Diego, que tem uma BMW GS800, e foi o nosso guia. Não vou falar mais nada. Vejam as fotos...
Abraços, e um Feliz Ano Novo a todos os amigos, familiares e companheiros de viagem! Que Deus nos dê muita saúde, para realizarmos todos os nossos sonhos!
Marcio & Capitinga

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Bariloche chegamos!

Hoje fizemos pouco mais de 400 km entre Néuquen e Bariloche em cerca de 4 horas. Néuquen é uma grande cidade, andamos lá ontem de moto, nos impressionou o tamanho da cidade, muito bonita, organizada, aeroporto e rodoviária dá de dez em muita cidade, inclusive a nossa. Comemos no restaurante do hotel mesmo, outro bife de chorizo maravilhoso com salada. Até agora estamos só ganhando peso na viagem... Mais ainda! Acordamos às 7:30 com dó de sair das ótimas camas king size do Land Express, arrumamos tudo, tomamos o café, até bonzinho, perto dos outros, e saímos do hotel às 8:45 hs. Ontem na TV falou que vai faltar gasolina aqui de 31/12 para o dia 01/janeiro... Tinha fila nos postos, e gente enchendo galões. Hoje eu resolvi usar a autonomia da minha moto, com os 33 litros do tanque, e toquei todo o trecho sem abastecer... 420 km, e quando abasteci ainda tinha 10 litros no tanque... Esta é uma das grandes vantagens desta moto, sem dúvida. O Capitinga pegou fila no posto no meio do caminho, e eu já fui lá e tirei uma foto... Pra sacanear, hehehe! Chegamos aqui, passando por um vale maravilhoso, cheio de curvas, subimos de 200 para mais de 1.000 metros, ficou até frio, quase 20 graus. A chuva ameaçava, mas não caía. E eu com calça jeans com proteção. A paisagem ficou de cinema, com um rio de águas cristalinas nos acompanhando, muita gente pescando trutas, bonito mesmo! Lá na frente já dava pra ver as montanhas com neve no pico. Amanhã vamos lá conferir. Chegamos no hotel Carlos V, que já havia reservado desde Campo Grande, fizemos o check-in, tomamos um banho, e fomos atrás de oficina de moto, pra trocar o óleo e os pneus da minha moto. Logo achamos uma, que troca óleo de carro mesmo, e ali trocamos o óleo das duas motos. Colocamos óleo mineral 20W50 da Repsol, a AR$ 40/litro, cerca de R$ 20,00. Deixei o Capitinga trocando o óleo da moto dele, e fui atrás de um lugar pra trocar os pneus. Começou a garoar, e voltei para o hotel, num trânsico caótico, meio doido, quase que me derrubaram! Depois voltei para me encontrar com o Capitinga, e nada dele! Quando fui para a oficina para troca dos pneus, o achei. Paramos na oficina indicada, e o pessoal disse que não trocava pneu de moto. Mas nos indicou um lugar, disseram que o melhor da cidade, ali perto. Fomos lá, e por curiosidade era o lugar que hoje quando chegamos um outro cara havia me indicado! Mas não levamos a sério, pelo aspecto muito simples da "gomeria". Parei lá, e saiu um senhor, chamado Felix, muito gente boa. Comecei a mostrar pra ele o que eu precisava, a questão do sensor do ABS, da pressão dos pneus, etc... e ele já disse que poderia ficar tranquilo, que ele sabia o que fazer. E sabia mesmo. Ele já trocou pneu de trocentas BMW que passaram por aqui, nos mostrou as fotos. Fiquei meio desconfiado no início, mas depois vi que ele realmente entende! Deu tudo certo, a moto ficou punk com os pneus Karoo para enfrentar o rípio, e enquanto ele estava acabando o serviço, apareceu um cara, o Diego, também motociclista, tem uma GS800, conhece tudo por aqui, e amanhã vai nos guiar pela cidade, se o clima ajudar é claro. Aqui está garoando, tempo ruim, pelo menos por enquanto. Enfim, agora vamos sair pra relaxar, pois as motos já estão prontas, não tem mais o que preocupar, agora é só curtir Bariloche. Estão pedindo para postar mais fotos, mas o problema é que demora muito pra carregar, e aí eu tenho que ficar horas esperando... Mais do que eu espero... Tenham paciência que quando chegarmos aí, vcs verão tudo! Amanhã  vou fazer um post sobre as motos, nossas queridas companheiras, a razão de estarmos aqui. Abraços!
Nerso na fila, mascando freio, o apuradinho...

Represa na beira da estrada Néuquen - Bariloche

As curvas da estrada de Santos. Opsss, Bariloche!

Antes de Bariloche, um vale maravilhoso

Olha estas montanhas!

Nosso hotel em Bariloche, bem no centro da cidade

Trocando o óleo das motos


Sr. Félix, especialista em troca de pneus de BMW

Diego, nosso novo amigo, tbm motociclista


A moto com pneus com gomo, Karoo, para enfrentar o rípio


quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Santa Rosa a Néuquen - Entramos na Patagônia!


Em um trevo, perto de General Acha

Uma CBF750 four ano 1980, toda preta fosca, viajando...

Dois amigos de Buenos Aires, viajando juntos

O carro dos sonhos do Capitinga... Uma Romiseta... rarara!

Inicio da Patagonia, um trecho de deserto, perto de Néuquen

Hotel Land Express, em Néuquen, ótimo hotel, mas $$$$!

O hômi já bebendo a cerva diária dele, religiosamente...

Hoje fizemos só 530 km, entre Santa Rosa e Néuquen. Acordamos 7:30 hs, e saímos do hotel às 8:30. Resolvemos tomar o café em um posto perto do hotel, pois lá era AR$10 para um café fraco e duas meialunas... Saímos do posto 9:15 hs. O clima mudou... Choveu à noite, e de manhã a moto marcava 24-25 graus, e tempo nublado. Ótimo. Seguimos rumo ao sudoeste. Em General Acha, estávamos no posto abastecendo, quando passaram duas motos carregadas. Seguimos atrás, e em uma pequena cidade, quase uma vila no meio de um deserto, encontramos os dois viajantes. Eram dois amigos, senhores já sessentões, viajando juntos, em uma CB750 four toda pintada de preto fosco, vazando óleo por tudo quanto é lado, até no freio da frente... O piloto, uma figura, vestido com um colete vermelho, e calçando uma alpargata, precisava ver... Não estava nem aí, estavam viajando para San Martin de Los Andes, logo após Bariloche. O outro, um empresário do setor de madeiras em Buenos Aires, estava em uma honda Africa Twin, uma big trail muito boa, bem conservada. Ficamos ali conversando com eles, e outro cara, que tem uma BMW R100 ano 1969, também estava junto. Seguimos por um desvio que um guarda nos ensinou, que economizaria 60 km em relação à rota que o GPS queria nos levar. Foi uma boa escolha. A estrada boa, mas sem acostamento. Gasolina já tem a super, mas em alguns postos só tem a Premium/Fangio. Hoje abasteci com Podium, da Petrobrás. O preço da gasolina Premium é de cerca de R$ 2,50 e da Super, R$ 2,25. As motos excelentes, andando muito bem com esta gasolina boa e pura, estão fazendo 15 km/litro, andando a 140 km/h. Tocamos por um deserto, por uns 200 km, no meio do nada. A cada 100 km, tinha um posto muito bom, da YPF, em um deles almoçamos um "sandwich" de presunto e queijo, com suco e café. É engraçado, parece que não tem nada, e de repente aparece um posto enorme, cheio de gente. A temperatura subiu para 32-33 graus, e já começou um vento de lado, mas ainda não é muito forte. Passamos em uma cidade chamada General Roca, em um tipo de vale. Parecia a Itália, cheio de vinhedos, plantações de maça e pera, muito bonito, há uns 40 km antes de Néuquen. Chegamos em Néuquen às 15 hs em ponto. Ou melhor, antes de Néuquem, tem uma cidade chamada Cipolleti. É uma do lado da outra. Parei em uma casa de informações turísticas, e a moça queria porque queria que nós ficássemos em um hotel de Cipolleti. Notei uma certa richa entre as duas cidades... Fui educado com ela, disse que iria ver, e rumei para Néuquen, afinal era o nosso destino, e tbm considerado a porta de entrada da Patagônia Argentina. Atravessamos uma ponte, e novamente fui perguntar em um quiosque de informações turísticas, só que agora de Néuquen. Só tinha um rapaz, que me deu um papel, e me ensinou uns 3 ou 4 hotéis. Saímos de lá direto para procurar um tal de Land Express, já sa saída para Bariloche. Aí caíu uma chuva, e nós procurando hotel, e não achava o endereço... Molhamos um pouco. Não achamos o hotel que eu queria ir, e paramos em um outro. Fomos ver, e não dava... Muito ruim, e caro! A chuva parou, voltamos um pouco, e achamos o tal do Land Espress, um ótimo hotel, mas o preço... AR$550,00 o quarto duplo! Mas é o melhor hotel que já ficamos até agora, disparado. É um típico hotel daqueles americanos, com duas camas king-size, quarto enorme, muito bom. Descarregamos as coisas, banho, blog, e daqui a pouco vamos dar uma volta no centro da cidade, pra conhecer. Amanhã, são só 400 km até Bariloche, viagem tranquila, de boa. Já vai dar pra colocar a roupa de cordura, pois está marcando chuva, e o clima já esfriou. Agora vai começar a viagem, pra valer!
Dados da viagem, até agora:
Total Percorrido: 3.150 km
Média Deslocamento: 109 km/h (Isto andando a 140 km/h sempre que dá!)
Média Geral: 72 km/h
Preço Médio da Gasolina: R$ 2,40
Preço Médio dos hotéis/pessoa: R$ 75,00 a R$ 80,00
Preço Médio das refeições/lanches: R$ 15,00 a R$ 20,00
Abraços a todos!
Ah! O Capitinga falou que eu também ronco... hehehe!

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Primeira Etapa Quase Concluida!

Chamo de primeira etapa, este trecho de Campo Grande a Bariloche, de 3.500 km, pois na minha opinião é dali para a frente que a viagem realmente começa pra valer. Estamos curtindo, pois andar de moto por si só já é bom, pra quem gosta, é claro, mas de Bariloche até Ushuaia é o foco desta aventura. Hoje acordei com dor no punho direito. Dói também o pescoço, e é claro o traseiro. Olha, o meu banco ficou fantástico, e ainda mais com a almofada Airhawk, hoje eu já não sentia mais tanto como no primeiro dia, aquela minha dor no cóccix, acho que já estou me acostumando tbm... O Capitinga tbm está com dor na b., dor no pescoço, no punho, diz ele que é dor em tudo quanto é lugar... Mas daqui a uns dias acaba, ou acostuma, afinal estamos num ritmo muito forte, 3 dias de tocada intensa, mais de 2.600 km ininterruptos sem descanso.
Hoje saímos mais tarde um pouco, 8:30 hs partimos de Parana, já com 33 graus e atravessamos o túnel fluvial rumo a Santa Fé.
Túnel Fluvial sob o rio Paraná
Para quem não sabe, é o túnel que tem sob o rio Parana, ligando a cidade de Parana a Santa Fé. São duas cidades grandes, acredito que cada uma tenha mais de 300 mil habitantes. Saímos do túnel, e logo já pegamos a Auto Estrada duplicada, rumo a Rosário. Andamos uns 150 km pela Autopista, perfeita, a 140 km/h, que é a velocidade permitida e legal. Paramos antes de Rosário para abastecer a moto e os pilotos, pois o "desayuno", ou café da manhã, realmente é dos piores que já vi, só um café fraco (Chafé), meia luna (croissants), e uns pãezinhos. Assim, tem que parar em um posto, para comer, logo depois, senão a fome vem mesmo, e tbm temos que manter o corpinho, né Xuxu?
Na estação de serviços da Autopista entre Sta Fé - Rosário
Ainda nem precisei usar as barras de cereal... Passamos pelo anel viário que contorna Rosário, e pegamos à direita, para a ruta33, rumo a Casilda e Venado Tuerto. Calor, calor, muito calor. Fomos parando a cada 150 km mais ou menos, o Capitinga doido, por causa do calor. Com exceção do primeiro dia, que pegamos 2 ou 3 garoas, ontem e hoje o tempo aberto o tempo todo, com sol a pino. Era 39-40 graus direto. Dali em diante, a paisagem mudou, topografia plana, muita lavoura de soja, arroz, milho, muita máquina na pista, trator, colheitadeiras, caminhões. E as retas, muitas retas, com algum vento. Em Rufino, novamente fomos abastecer, e não tinha gasolina. Fomos a outro posto, e neste só tinha a gasolina Premium. Só está tendo a premium, em todo lugar. Eles estão fazendo pressão pra subir o preço... Dali pra frente fomos parando a cada 100-130 km, e para cada 2 abastecidas do Capitinga eu abastecia a minha moto, o BAU, pois os 33 litros não acabam nunca! A moto está fazendo 15,5 a 17 km/lt andando a 140 km/h cravado. Antes de chegar em Santa Rosa uns 120 km paramos em um posto YPF, e ali tinha gasolina Super, mais barata um pouco (R$ 2,00/litro). Quando estava saindo, vi que a minha luz de farol baixo estava queimada. Ainda bem que trouxe uma de reserva, pois em setembro havia trocado por uma mais forte, e guardei a original pra trazer na viagem. Finalmente chegamos em Santa Rosa, às 18:15 hs, quase junto com uma chuva fraca. Achei um hotel pelo GPS, mas tinha um monte de hotel na entrada da cidade. Hotéis bonitos, com campo de golfe, outros mais simples, também um grande e bonito cassino... Esta cidade é bonita e interessante! Ficamos no hotel que tinha programado no GPS mesmo, nome diferente, Lihuel Calel, na saída para Néuquen, a cidade que vamos amanhã, a 520 km daqui. Pegamos cada um o seu quarto separado, a $135 pesos cada. Simples, e bom, com estacionamento coberto. Jantamos aqui no hotel mesmo, um bom bife de chorizo com salada, estávamos com fome, pois hoje só lanchamos o dia todo.

Hotel Lihuel Calel, em Santa Rosa, La Pampa
Por falar na moto, vou postar uma foto dela equipada, pra vcs verem como ficou. Até amanhã!
O BAU carregado e equipado para enfrentar Ushuaia!

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

El Chaco!

Hoje acordamos as 6:00 hs, arrumamos as motos, tomamos o "desayuno" fraco do hotel, saimos 7:30 de Puerto Iguazu, e seguimos pela minha já conhecida ruta12. Depois de uns 100 km paramos para abastecer, e só tinha gasolina Premium, a melhor, e mais cara, e mesmo assim, mais barato do que no Brasil (R$ 2,50/litro). Esta gasolina é melhor do que a nossa podium, e a moto fica redonda, lisa, muito melhor pra andar, além de mais econômica. Paramos para um lanche rápido em San Inacio, e antes de Posadas pegamos à esquerda, para Santo Tomé, rumo a ruta14.
Acho que foi em Governador Virasoro, vi à direita, na rua lateral, um casal em uma GSAdventure vermelha, parecia que estavam procurando um local para almoçar. Cumprimentei-os com a buzina, e continuamos em frente. No próximo sinaleiro, já nos alcançaram. Conversamos rapidamente em cima da moto mesmo, e combinamos de almoçar em Santo Tomé, a 75 km dali. Tocamos juntos, agora a 140/150 km/h, pois já estava tarde, passava do meio dia, e estávamos um pouco atrasados. Isto porque a tocada que combinamos é de 130-140. Mas hoje, aquelas retas, o calor insuportável, perto dos 40 graus, tocamos um pouco mais firme, e foi até bom esta "estilingada" pois acabou que rendeu a viagem. Abastecemos e almoçamos em Santo Tomé, num restaurante pequeno entrando na cidade, com ar condicionado. Gastamos $ 45 pesos cada um, cerca de R$ 22,50. Saímos de lá quase 2 da tarde, depois de muita conversa. Fizemos amizade com este simpático casal, de Piracicaba/SP, que estão indo para Buenos Aires ver a largada do rally Dakar. O Miguel e a Hilda. Grandes viajantes, experientes e conhecedores de motos. Estão em uma GS1200 Adventure 2008 vermelha, muito bonita e bem equipada. Seguimos juntos até Passo de Los Libres, aonde nos despedimos e nos separamos. Uma coisa boa nestas viagens é conhecer pessoas diferentes, fazer novas amizades. Valeu, Miguel e Hilda, um grande abraço, e sigam com Deus! Já passava das 3 e meia da tarde quando saímos do posto em Passo de Los Libres, e ainda tínhamos 400 km pra fazer! Seguimos em frente, sempre na tocada de 140 firme, cuidando a estrada, muito boa por sinal, mas sem acostamento. Aliás, até que não estava tão boa assim em alguns trechos, pois parece que estão querendo duplicar a ruta14 até o Passo, mas não acabam nunca... É só obra e mais obra. Tem até um desvio de uns 1000 metros, cascalhado, mas se chover...

Nas curvas da ruta12, entre Puerto Iguazu e Posadas






Almoço em Santo Tomé, com o Miguel e Hilda, de Piracicaba/SP

Bem, com o sol batendo direto na cara, e um calor de 40 graus, chegamos em Parana, depois de 4 paradas, uma a cada 100 km, pra descansar e tomar uma água. Mesmo assim chegamos ainda com sol. Fui direto para o primeiro posto bom que vi, para abastecer e perguntar por hotel, e não tinha gasolina! Isto mesmo, a frentista me disse que estavam sem gasolina, já há alguns dias. Ficamos meio assustados, mas eu já estava sabendo disto, através do Eduardo, do Rotaway, que tinha nos avisado alguns dias atrás. Mas eu achei que já tinha passado a crise. Pelo jeito ainda continua... Como aind estávamos com mais de meio tanque, ficamos tranquilos, e perguntamos por hotel. Nos indicaram um no centro da cidade, um hotel que o pessoal da Shell fica por aqui. Coloquei no GPS e fomos pra lá. Achamos, mas era muito fraco, e mal localizado... Seguimos em frente, e vi um posto YPF cheio de carro. Paramos, e tinha gasolina, só que novamente somente a Premium. Beleza, vai esta mesmo, pra garantir! Enchemos os tanques, e seguimos procurando hotel. Achamos um bem no centro, chamado Hotel Paraná, na rua 9 de julio. Prédio antigo, hotel bom. Fechamos por R$ 120 o quarto duplo completo com café da manhã. Tomamos a nossa cerveja, e saímos pra lanchar. Cidade bonita, antiga, é Parana. Mas muito quente, beira de rio. Amanhã vamos até Santa Rosa, passando por Santa Fé, Rosário, e muitas outras cidades. Abraços a todos, e vamos viajando juntos! Vou dormir que o cansaço bateu! O duro é o ronco do Capitinga, parece um trator de esteira...
Hotel em Parana, aonde ficamos hospedados

domingo, 26 de dezembro de 2010

Primeiro Dia: Campo Grande - Puerto Iguazu

Já estamos na Argentina! Achei melhor seguir direto e já fazer a aduana hoje, já que chegamos cedo, pois amanhã temos um longo trecho a fazer até a cidade de Parana, na provincia de Entre Rios, mais de mil km!
Saimos de Campo Grande às 7 hs da manhã exatas. Fiquei sabendo de gente que chegou atrasado 3 minutos e perdeu o trem... Um abraço Julio! Quando cheguei lá no posto, o Capitinga já tinha me ligado umas dez vezes e falado aquele velho bordão: bóra, bóra, bóra... Esse meu cumpanheiro parece que nasceu de 7 meses... Como é apurado! Já estavam lá a Tânia e o Guilherme (esposa e filho dele), a sogra, a irmã com o marido, e alguns amigos. Valeu o pessoal que acordou cedo no domingo, pra acompanhar a gente: Um grande abraço para o Ribas, Géo, Valdir, Rey, Osmar, Xuxu & Jeanete, Jardim, Flávio, e o meu amigo Jooooorrrgeee véi!! O Jorge! O Jorge apareceu lá, com a Concú arreada, de mala e cuia, e disse que iria com a gente até Bariloche, para surpresa geral! Ficamos muito contentes, com esta boa surpresa! Logo já saímos, e paramos na Água Rica para tomar o café com pão de queijo. A minha família toda tbm viajou nesta madrugada, e saí de casa sozinho. Da Água Rica, seguiram conosco até Dourados o Xuxu com a esposa, o Osmar e o Rey. Dali seguimos eu, Capitinga e o Jorge. O clima estava agradável, nublado sem chuva, 25 graus, mas antes de Caarapó já estava esquentando, e pegamos uma garoa leve, muito gostosa. Nem colocamos capa, pois logo parou. Depois sol quente, muito quente. Paramos para abastecer em Caarapó, Mundo Novo (almoçamos lá, e encontramos 3 motociclistas indo para Cuiabá), e depois em Marechal Candido Rondon, já no Paraná. Ali o Jorginho se separou de nós, pois resolveu que não iria mais até Bariloche, pois não tinha a Carta Verde, documento da moto no nome da empresa dele, etc... Complicou... Ele seguiu para Maringá e Pres. Prudente, eu acredito... Valeu meu amigo Jorge, pela ótima e agradável companhia! Vai com Deus na sua viagem solitária. Eu e o Capitinga seguimos para Foz, com um calor de 38 graus, passando ao lado daqueles balneários que tem no caminho, às margens do lago de Itaipu, lotado de gente, afinal hoje é domingo! Que vontade de parar a moto e dar um mergulho! Logo saímos na pista dupla, pagamos aquele roubo de pedágio para moto de R$ 4,90!, e chegamos em Foz às 17:40 hs horário daqui. Fomos direto para a fronteira com a Argentina, fizemos a aduana brasileira e depois a Argentina, e já fomos para o hotel que tinha reservado na sexta à tarde (La Strada Residence). Nem bem estacionamos as motos, em uma ladeira dos infernos, e já pedimos duas cervejas, pois o calor era tanto, que parecia que íamos derreter! Que coisa boa é tomar uma cerveja gelada com sede! O hotel é simples, barato (U$50 o quarto duplo), com ar condicionado nos quartos (Graças a Deus), e uma piscina pequena. Dá pro gasto. Logo chegou um casal de Campo Grande, em um jipe Troller. Estão indo para Antofagasta, ver a passagem do Rally Dakar. Me esqueci do Rally! Depois é que fui me tocar, pois vimos alguns jipes pela estrada, e disseram na aduana que está passando muito 4x4 por causa do rally. Bem, agora vamos tomar uma Quilmes de litro, jantar, arrumar as coisas e descansar, pois amanhã é um dia puxado, muito quente, e vai ser um longo trecho! abraços a todos!

Eu e o Capitinga na saída, em Campo Grande/MS

Almoço no Tio Sam, em Mundo Novo, na companhia do Jorge.

Capitinga na divisa Brasil - Argentina

Saindo da Aduana, com um calor de 38 graus!
Primeira argentina que vimos hoje... Gente boooaaa...

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Já está tudo pronto!

Pessoal, falta apenas um dia para a nossa saída, e já estamos com tudo pronto. Até as motos já estão carregadas. Amanhã é só checar tudo, documentação, etc... O Natal vai ser aqui em casa hoje, muita gente, correria e tal, mas consegui arrumar as malas e carregar a moto. Ficou muito bom. Mas acho que lá pelo terceiro ou quarto dia de viagem é que as coisas irão se ajeitando, e a bagagem vai ficando mais acertada... O Capitinga já está com a moto arrumada há dias, e hoje me mandou umas fotos dela. Seguem abaixo. Ontem tive um contratempo, uma dor na coluna, tipo aquelas fisgadas, e fiquei com receio de ter que abortar a saída para outro dia. Mas nada que uma boa medicação não resolvesse. Graças a Deus estou bem, a dor passou, e seguimos com o planejado de sair no dia 26, domingo. Reservamos alguns hotéis, em algumas cidades mais complicadas, coisa que nunca fiz, mas acho que vai dar tudo certo. A gente acaba seguindo o cronograma mesmo, e sempre chega no dia esperado. No mais, agora é relaxar, e esperar o dia da saída. Aqui tá chovendo todo dia, quase sempre na parte da tarde, e com certeza vamos pegar chuva na estrada. Vamos sair preparados pra chuva. E vamo que vamo!



sábado, 18 de dezembro de 2010

Check-List & Preparativos Finais

Faltam apenas 7 dias para a nossa viagem, e a ansiedade é muito grande! Se não fosse o natal, sairia hoje mesmo! A alguns dias atrás, adesivei algumas partes da moto com um material parecido com fibra de carbono. Ficou muito bonito, discreto e além disto terá efeito de proteção. Vejam as fotos. Ainda falta adesivar a bolha e algumas partes da carenagem, com adesivo transparente.
Resolvi e hoje fui trocar o pneu da moto. Estava usando o Continental que comprei no Paraguay, só que não conheço bem este pneu, e me parece bem mais "on-road". Assim resolvi colocar o meu velho conhecido, o Michelin Anakee2. Só levei um grande susto, quando o rapaz da Automoto me ligou e disse que a minha roda estava "empenada"! Rapaz, como estava empenada, se eu acabo de fazer uma viagem e a moto estava perfeita na estrada! Fui correndo lá, peguei a moto, e testei na rodovia. Me pareceu normal. Eu não sei se esta roda raiada da GSA tem alguma manha pra balancear, mas aqui em C.Gde não tem máquina pra mexer com ela. Depois que voltar de viagem vou ver isto com mais calma, talvez na Motopoint de Rio Claro, ou algum outro lugar. Agora nem pensar!
Depois do almoço, fui arrumar as coisas pela primeira vez. Até agora, só estava comprando tudo, e jogando em um armário. Agora é que fui ver o tamanho da bagagem e organizar pra valer. Ver como vai ficar na moto. Tirei uma foto de tudo que vou levar (Fora as minhas roupas). É muita coisa, mas caberá no "Baú", apelido carinhoso da minha moto. O maior problema são os pneus KarooT que vou levar... Mas que trambolho! Além de grandes, são desajeitados pra carregar, amarrar, etc... Mas agora vou levar, pois já comprei... Resolvi tirar o banco traseiro, já que vou só, e até que ficou bom. O banco que vou usar é da Touratech, mais baixo. A conselho do Eduardo, do site Rotaway, mandei para o Erê Bancos, no RJ, dar uma arrumada nele, e ficou excelente. Estava muito duro, e agora ficou bom, tem até gel.
Eu tinha uns esticadores/amarras da BMW, que ganhei uma vez, quando comprei a minha primeira GS, muito bons, pequenos e funcionais. Irão servir direitinho pra amarrar os pneus, e se precisar, posso usá-los como esticadores em alguma balsa por lá.
Mas só vou saber se tudo vai ficar bom ou não só quando for para a estrada pra valer!
O meu companheiro de viagem e amigo Nelson Capitinga apareceu aqui em casa já no final da tarde, e conversamos um pouco. Só que armou uma grande chuva e ele teve que ir embora às pressas, antes que se molhasse.
Mas já valeu. Deu pra ver como vai ficar a bagagem. Ia levar 2 calças de cordura, mas desisti. Vou levar uma calça jeans com proteção para os dias quentes (até Bariloche), e uma de cordura, da Revit, para a parte fria da viagem. Aliás excelente esta calça da Revit, chamada Dakar. Acho que a qualidade é igual ou até superior às calças da BMW. Tem dois forros, um para chuva e outro para frio. E não é preta! Porque cordura já é quente, e ainda preta, é pra acabá!
Enfim, agora é só ir contando os dias. Ainda tenho um monte de pequenos detalhes pra finalizar e organizar. O tempo passa rápido, e agora é aguardar o dia da saída. QUE ANSIEDADE!
Abraços!


Quem sou eu

Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brazil
49 anos, casado, zootecnista, empresário e motociclista.