quarta-feira, 27 de março de 2013

Catamarca - Fiambalá: 306 km


Pessoal, estou postando este blog hoje, dia 27/03, porque não havia internet em Fiambalá ontem. Estamos em um local insólito: a 90 km de Fiambalá, rumo ao paso San Francisco, a 3.400 metros de altitude, 5 graus (pegamos 3 graus agora a pouco...), em um hotel de luxo no meio do nada! O porque disto? Explico: é que a moto do Pintado bateu em uma pedra no meio da estrada, e amassou a roda traseira, a uns 50 km de Fiambalá. Por sorte ele não caiu, mas a moto não tinha condições de rodar. Assim, o Amin, acompanhado do Padilha e do Nelson, voltaram a Fiambalá, para arrumar a roda, e nós tocamos para frente, até este local, para esperá-los. Esperamos que tudo se resolva logo, já são 10:40 hs da manhã, senão vai complicar a nossa travessia... Chegar em La Serena hoje já não será mais possível, pelo que tudo indica. Mas vamos em frente, tudo tem um motivo e finalidade, Deus sabe o que faz, acredito muito nisto.
O Pintado vamos benzê-lo hoje, pois está com azar. Já teve vários problemas pequenos, hoje cedo, 6:20 hs da manhã, perdeu o capacete, tinha esquecido em uma Lan House ontem... Foi só o susto. Agora a pedra no caminho... Esperamos que não aconteça mais nada! rsrsrs....
Vamos ao dia de terça:
Ontem à noite, dia 25/03, demos uma volta à pé no centro de Catamarca, mas não tinha muita coisa pra ver. Alguns compraram souvenirs e camisetas. Depois voltamos para o hotel para jantar. O atendimento estava demorado. Jantei uma lasanha verde e fui dormir já era quase meia noite.
Hoje, 26/03, acordamos cedo para os padrões argentinos, às 6:30 da manhã, e ainda estava bastante escuro. Arrumamos tudo, pagamos o hotel, e colocamos as motos em frente da recepção. O hotel, excelente, padrão 4 estrelas, por uma diária de cerca de R$ 80,00/pessoa, muito barato. Aliás, com a desvalorização do peso argentino (R$ 1,00 = AR$ 3,60), ficou novamente interessante vir pra cá, tudo está mais barato.
Logo chegaram nuestros amigos argentinos e guias da viagem, Amin e o Amado, pois programamos de sair às 8 hs. Acabamos atrasando um pouco, seguimos pelo centro, para a saída da cidade, e paramos para abastecer no posto do Amado. O Amin sempre muito preocupado com todos, se não tem alguém para trás, e cuidando do grupo.
Com a chegada ontem do Flávio e do Kikiko, o grupo agora cresceu mais ainda, estamos em 11 motos. Imagina a confusão na hora de abastecer e sair de algum local! Sempre fica alguém para trás, e tem que esperar. As paradas sempre muito animadas e divertidas, com muita risada.
Saída do hotel em Catamarca
A turma toda na estrada, perto de Aimogasta





No pequeno hotel em Fiambalá...
Saímos de Catamarca eram passados das 9 hs, seguindo para o sudoeste. A estrada, muito boa, atravessando uma região cheia de oliveiras e empresas produtoras de azeitonas e azeite. No início eram só retas, mas logo chegaram as montanhas, com muitas curvas e paisagens de tirar o fôlego, algo para se lembrar! Todos ficamos extasiados com a paisagem, e paramos algumas vezes para tirar fotos. Em Aimogasta paramos para abastecer, depois de rodar uns 150 km. Novamente a confusão se instala, é moto pra todo lado, forma-se uma fila enorme nas bombas, com curiosos querendo saber quem são, olhar e fotografar as motos, etc... Muito engraçado!
Seguimos em direção a Tinogasta, a paisagem cada vez mais bonita, e chegamos em Fiambalá, nosso destino, passado das 13 hs. Paramos na frente da pequena pousada por um tempo, e fomos almoçar. Provei o “Estofado” um cozido de carne com legumes, muito bom. A maioria não está bebendo nada de álcool, se preparando para a altitude. Alguns estão tomando o Diamox, inclusive eu, pois ajuda muito. Hoje à noite, nada de janta, só um chá com torradas, pois isto vai ajudar muito amanhã quando passarmos dos 4 mil metros!
Após o almoço, fomos para o hotel, cada um descarregou as suas coisas, troca de roupa, e fomos visitar as Termas de Fiambalá, um ponto turístico daqui, além das Bodegas de vinho que tem aos montes. São  12 km até as termas, lugar legal, com águas termais naturais, várias piscinas começando com 40 até 36 graus. Haviam muitas pessoas lá, tomamos um banho de uns 40 minutos, e começamos a nos arrumar para sair.

Termas de Fiambalá
O bando tomando banho quente...
Na saída, uma surpresa, a moto do Marco Túlio estava com o pneu furado. Achamos o responsável, um prego... Enchi o pneu com o compressor de ar portátil, e deu pra rodar de volta à cidade, aonde havia uma borracharia que consertou o estrago. Abastecemos, compramos água e lanches, estamos prontos para enfrentar o paso San Francisco! Amanhã serão 482 km até Copiapó no total. Os primeiros 200 km são de asfalto, até a aduana argentina. Depois começa o famigerado rípio, pelo que todos me disseram, a pior parte será nos primeiros 100 km, até chegar na aduana chilena. E é ali que veremos as paisagens mais bonitas, os vulcões, as lagunas e os salares. Mas isto eu vou contar só amanhã...
Abraços a todos!

3 comentários:

  1. Ola, Marcio e amigos. Primeiro, boa viagem a todos. Desculpe responder agora, mas acessei somente hoje (27/3) porque estou na Italia desde 19/3. Acho que quando estiver lendo ja passou o Paso San Francisco, mas as respostas estao exatamente no meu blog, nesse trecho. Boa sorte para atravessar o Paso Agua Negra, e sempre e aconselhavel murchar os pneus, e levar agua (sem gas). Abraço a todos. Luis Plein

    ResponderExcluir
  2. Muito legal ouvir a história narrada por vc, Márcio.
    Ansiosa para ouvir sobre o trecho da Cordilheira.
    Abraço a todos.
    Karina

    ResponderExcluir
  3. Marcião já disse vc. é zootecnista só nas horas vagas, devia ser escritor, jornalista, sem foto alguma, já viajaria nos detalhes das suas descrições...muito bom mesmo!
    Uma ótima viagem e um Grande Abç. em todos!
    Tá td. mundo esperando vcs. trazerem o tal do remédio p/ altitude...kkk (só p/ prevenir né!?)
    Grande Abç!

    ResponderExcluir

Olá! Faça aqui o seu comentário!

Quem sou eu

Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brazil
49 anos, casado, zootecnista, empresário e motociclista.