quinta-feira, 1 de setembro de 2011

LUGAR DE MOTO É NA ESTRADA!

Cada vez que eu viajo, tenho mais a certeza: lugar de moto é na estrada! Não gosto de andar na cidade com a minha moto, apenas ando nos sábados e domingos, e de vez em quando. O bom mesmo é viajar, pegar a rodovia, isto sim!
Bem, como alguns já sabem, o Jardim e o Rogério já saíram de Campo Grande há cerca de 10 dias, já fizeram a BR-319 (foi MUITO difícil!), e estão voltando de balsa, de Manaus até Humaitá, aonde nos encontraremos com eles, no sábado, para dali seguirmos juntos pela BR-230, e concluir a viagem.
Vamos a minha viagem e do Nelson.
PRIMEIRO DIA: CAMPO GRANDE/MS a RONDONÓPOLIS/MT - 485 km
Saímos de Campo Grande logo depois do almoço, às 13:30 hs. O Nelson "Carandá" chegou de Jardim de manhã, às 9 hs, pegou a moto dele lá em casa, e levou pra abastecer e carregar as malas. Apareceu de volta às 11:30 hs, almoçamos uma linguiça de Maracajú que a minha mãe fez, aliás muito boa, e seguimos viagem. Um calor insuportável, saímos com 36 graus da cidade Morena. No caminho, paramos em Rio Verde de MT para abastecer e tomar uma água. Em Coxim a temperatura bateu nos 39 graus! Na estrada filas e mais filas de caminhões, indo e voltando, transportando riquezas deste nosso Brasil Central para resto do país.
Divisa MS/MT em Sonora. Ao fundo o Rio Correntes.
Chegamos em Rondonópolis no finalzinho da tarde, antes de escurecer, já quase 18:00 hs. Ficamos hospedados no hotel Monjardim, ao custo de R$ 114,00 o quarto duplo, sem café da manhã. Hotel muito bom, recomendo.
SEGUNDO DIA: RONDONÓPOLIS/MT a VILHENA/RO - 945 km
Acordamos bem cedo, 4:30 da manhã, e saímos do hotel 5:15, sem tomar o café da manhã. O objetivo era escapar um pouco do trânsito infernal de caminhões entre Rondonópolis e Cuiabá, e a estratégia deu certo! Mas o mais engraçado é que estava frio! Isto mesmo, frio! Saí do hotel com a jaqueta totalmente aberta, pra entrar vento, e passei frio! Fomos até Cuiabá com a temperatura entre 23 a 26 graus, agradável na verdade. Tomamos o café na Pensão Seca, cujo proprietário tbm é motociclista (Coyotes), de Jaciara/MT, e conversou conosco. Seguimos, atravessamos por Cuiabá, e pegamos a estrada para Cáceres (MT-070/BR-364?), sentido Poconé. O asfalto um tapete, muito bom e novinho, e o melhor: não havia caminhões! Com a estrada tranquila, tocando de boa, logo chegamos em Cáceres, às 11 da manhã. Cáceres é o portal do Pantanal do Mato Grosso, região famosa pelo turismo de pesca. A região é baixa, altitude de 120-130 metros, e muito quente. Paramos somente para uma rápida foto na ponte do rio Paraguay, pois já havíamos abastecido as motos uns 100 km antes.
Rio Paraguai, em Cáceres, no Pantanal Mato-Grossense
video
Paramos depois de Cáceres para abastecer e almoçar, em Porto Esperidião. Estamos parando a cada 180-200 km para descansar, às vezes sem abastecer, pois as motos nos permitem, com o tanque de 33 litros. Uns 130 km à frente, antes de Pontes Lacerda, o Nelson começou a fazer sinal. Paramos, e ele disse que o pneu dele havia furado, pois estava aparecendo no painel da moto, e a pressão estava caindo cada vez mais. Como faltava apenas 10 km para chegar em Pontes Lacerda, tocamos devagar, até o primeiro posto, chamado Tuiuiú. Realmente tinha um pedaço de osso encravado no pneu dele. Paramos em uma borracharia daquelas de posto de gasolina, o rapaz retirou o pedaço de osso, e colocou o remendo do tipo macarrão, vedando o furo. E acabou-se o problema.
Nersão e a sua BM, consertando o pneu...

O "macarrão" resolveu, ainda bem!
Aproveitamos e tomamos um café. Antes de Comodoro, uma grande chuva se formou a nossa frente. Parei pra fechar as aberturas de ventilação da jaqueta, mas não precisou. A chuva passou na nossa frente, refrescando o final de tarde, a viagem ficou muito gostosa, temperatura na casa dos 25-28 graus. Gosto de citar a temperatura nas viagens, porque acho que este é um fator stressante em viagens de moto. Sempre deixo o computador de bordo da moto mostrando a temperatura. É claro que estrada ruim, vento, transito pesado, também são stressantes, mas tirando isto, classifico a temperatura como uma das mais importantes.
Após Pontes Lacerda, em pleno vale do rio Guaporé, a vegetação mudou bastante, dá pra notar as árvores mais altas, e que entramos na Amazônia, com as grandes Castanheiras do Pará, e a vegetação muito mais exuberante e maior, mais alta. Muitos animais selvagens atropelados na pista, uma pena. Antas, capivaras, etc... Chegamos em Vilhena, chamada de portal da Amazônia, às 17:20 hs, com o sol ainda alto por aqui. Aliás, aqui em Rondonia hoje amanheceu às 6:15 hs, mais tarde mais de meia hora em relação a Campo Grande.
Em Vilhena, ficamos hospedados no hotel Portinari, hotel novinho, inaugurou há apenas 3 meses atrás. Muito bom! Passei uma mensagem para o Totto, do Brazil Riders, e ele foi lá me encontrar, em alguns minutos já estava lá! Muito legal esta irmandade, é a primeira vez que participo em uma viagem, realmente faz a diferença, são grandes amigos e companheiros da estrada.
À noite me encontrei com o meu grande amigo e compadre Hugo, que mora em Ji-Paraná, e estava indo para Cáceres. Já havia combinado de encontrar com ele antes, e jantamos todos juntos, uma bela picanha na chapa. O curioso, é que mesmo após acordar às 4:30 da manhã, andar quase 1.000 km durante o dia todo, de moto, não estávamos cansados, e fomos dormir quase 11 da noite, inteiros.

TERCEIRO DIA: VILHENA a JARU/RO - 400 km
Acordamos às 5:30 hs e saímos do hotel às 7. A pressa hoje era do Nelson, que queria almoçar em Jaru, aonde mora a mãe dele, junto com a irmã. Mas eu ainda tinha que passar em Ji-Paraná, pra conhecer a indústria do meu compadre e amigo Hugo, antes de Jaru. Chegamos em Ji-Paraná às 10:30 hs, andando 300 km em pouco mais de 3 horas. Estrada boa, mas não é igual a outra no Mato Grosso. Já tem muito buraco, mesmo tampado incomoda a pilotagem. E o trânsito também aumentou bastante. Como Rondônia cresceu, as cidades bem desenvolvidas, ficamos impressionados com o tamanho de Vilhena! Já tem até shopping! Chegamos a tempo de almoçar na casa da irmã do Nersão em Jaru, a família toda estava nos esperando. O clima esquentou pra valer, e agora sim eu estava sentindo o tão falado calor da amazônia! Almoçamos, fui para um pequeno hotel pertinho, e amanhã vamos para Porto Velho, aonde vamos trocar os pneus das motos, colocar os KarooT, para no sábado começar o primeiro trecho de terra, entre Humaitá e Apuí. Está chovendo por aqui... Que seja o que Deus quiser! Amazônia aqui vamos nós!
Abraços a todos, e sigam conosco!

4 comentários:

  1. Aí Márcio e Nelson, estou aqui acompanhando está aventura maravilhosa, boa viagem e vamo que vamo.
    Abs.
    Fleury

    ResponderExcluir
  2. BR MARCIO E NELSON.
    TO NA SUA GARUPA VIRTUAL.
    SAIO DOMINGO DE CAMPO GRANDE E DEVO CHEGAR EM PORTO VELHO TERÇA A NOITE.
    PROCURE OS BRS PAPALÉGUAS E MAD MAX EM PORTO VELHO.
    BOA VIAGEM.
    MOTO ABRAÇOS.
    BRZ MASTER NELITO

    ResponderExcluir
  3. Passei a acompanhar vocês aqui. Lembram que eu tirei a foto de vocês na oficina em Porto Velho comprando os pneus?
    Pois bem, agora to acompanhando a viagem hehehe. Tudo de bom pra vocês.

    ResponderExcluir
  4. Tamo junto nessa Marcio!!torce o cabo e cuidado ai no trecho!!
    Abração!!

    ResponderExcluir

Olá! Faça aqui o seu comentário!

Quem sou eu

Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brazil
49 anos, casado, zootecnista, empresário e motociclista.