domingo, 4 de setembro de 2011

ENTRADA E SAÍDA DA AMAZÔNIA!

QUARTO DIA: JARÚ/RO a PORTO VELHO/RO - 300 km
Na sexta-feira acordei 6 hs, tomei o café e saí do hotel - muito simples, mas serve para passar a noite, a R$ 40,00/quarto - rumo a casa da irmã do Nelson. Saímos de Jarú às 8:30 hs. O asfalto até Porto Velho está razoável, com alguns remendos, buracos que foram remendados, mas dá para o gasto. Paramos na metade do caminho, em um local chamado Fazendinha, pra tomar uma água e descansar um pouco. Chegamos em Porto Velho ao meio dia, com o sol a pino, fazendo 38 graus. Achei o hotel com facilidade, usando o gps é claro, e nos acomodamos no Oasis Hotel, a R$ 155/quarto duplo. No momento que cheguei aqui, entrei em contato com o pessoal do Brazil Riders, e nos encontramos com o amigo Papaléguas, que nos recebeu muito bem, e nos levou até um bom restaurante, aonde provamos um ótimo peixe da região. Saímos dali, e escoltados pelo Papaléguas, fomos até o bar do MadMax, também do Brazil Riders, e presidente do MC Anacondas, daqui de Porto Velho. Ficamos lá conversando um tempo, e depois visitamos alguns pontos turísticos, o ponto de travessia da balsa, o mirante do rio Madeira, e enfim fomos até um encontro de motos do Giramundo MC. Neste momento o tempo fechou, e começou a chover, uma grande tempestade. Ficamos por lá, jantamos, e fomos para o hotel dormir.
QUINTO DIA: PORTO VELHO/RO a HUMAITÁ/AM - 208 km
No sábado acordamos às 7 hs, tomamos o café no hotel, e saímos para pegar os pneus na Suzuki. Explico: enviamos 2 pares de pneus KarooT de SP para Jarú. De lá, foi enviado para a Suzuki de Porto Velho, para trocarmos, antes de irmos para Humaitá, já que ali iríamos começar o trecho de terra. Como várias pessoas nos recomendaram a troca dos pneus na MASTER MOTTO, concessionária Honda de Porto Velho, pegamos os pneus na Suzuki e fomos pra lá, já passado das 10 da manhã. Encontramos alguns motociclistas na Suzuki, que nos convidaram para conhecer o point da cidade, aonde todos se encontram, e ficamos por um tempo lá, inclusive encontramos algumas pessoas que estavam chegando da BR-319 e nos recomendaram o trecho. Acabamos nos atrasando um pouco. Chegamos na Moto Master, e fomos MUITO bem atendidos. A loja é muito grande e bem estruturada, e recomendamos. Com certeza, é o melhor local para manutenção e troca de pneus de Porto Velho. Pegaram as motos, levaram para dentro, lá tem um mecânico muito bom, o Rogério, recomendado pelo Renato, motociclista de Porto Velho que conheci dentro da concessionária BMW de Campo Grande. Inclusive por coincidência o Renato estava lá na hora que chegamos, foi aquela festa! Ficamos por ali, esperando, já quase meio-dia, quando o Renato nos convidou para almoçar na casa dele. Fomos com ele, de carro, para uma casa e um almoço maravilhosos. Ele nos recebeu em casa, almoçamos e nos levou de volta à concessionária. Pegamos as motos, abastecemos e fomos para o hotel, acompanhamos pelo Renato e o filho dele, uma simpatia. Fizemos o check-out e fomos pegar a balsa, já quase 3 da tarde, com um calor de fritar.
Em frente ao hotel em Porto Velho
Na balsa para Humaitá

A ponte em construção sobre o rio Madeira
A ponte sobre o rio Madeira já está em adiantada construção, e deve ficar pronta até o final de 2012. Por aqui também estão dizendo que irão ASFALTAR a BR-319 entre Humaitá e Manaus, pois é uma exigência da FIFA, que todas as cidades sede da Copa do Mundo de 2014 tenham pelo menos uma saída por terra. Os 208 km entre Porto Velho e Humaitá, já estão asfaltados, a estrada muito boa e sem defeitos. À partir da travessia do rio Madeira, vimos vários destacamentos militares fazendo a manutenção da rodovia, até Humaitá. Pegamos duas chuvas rápidas no caminho, mas nem chegamos a parar pra colocar capa nem nada, pois logo parou e a roupa seca por si só, com o calor de 37-38 graus e o vento morno. Chegamos às 17:30 hs, quase no final do dia. Ainda deu tempo de dar uma volta em uma parte da estrada para Lábrea, andamos uns 5 km, a estrada muito boa, toda cascalhada. Mas realmente, se chover, vira um sabão, pois tem várias partes de terra batida.

BR-319, entre P.Velho e Humaitá, ótimo asfalto


Destacamento do Exército de Selva, em Humaitá/AM
Depois de algumas fotos, fomos para o hotel Macedônia, o melhor da cidade, a R$ 88/quarto duplo, com ar condicionado e internet wireless. Assim que chegamos e descarregamos as motos, fomos ver aonde chega a balsa que vem de Manaus. De repente o tempo virou, com muito vento, e previsão de chuva iminente. Só deu tempo de chegar no hotel, e começou a garoar fraco. Com a ventania, a luz da cidade toda acabou, por umas 2 ou 3 horas. Tomamos um banho sob luz de velas, e fomos comer algo ali perto do hotel mesmo, à pé e com lanternas nas mãos. No fim a chuva foi fraca, mas choveu, como todos os dias, aliás, nas últimas semanas. Este ano a chuva se antecipou um pouco mais do normal, disseram os habitantes locais. Jantamos uma excelente picanha, e fomos dormir. Deixamos um quarto reservado para o Jardim e o Rogério, que deveriam chegar na madrugada, pois vieram de barco.
SEXTO DIA: HUMAITÁ/AM a PORTO VELHO/RO - 208 km
De madrugada ouvi barulho no hotel, dos amigos chegando. Acordamos às 7 hs, e nos encontramos no salão do café do hotel. Foi aquela festa, colocar toda a conversa em dia, contar tudo, como foi a travessia da BR-319, e as dificuldades. Para saber mais detalhes desta primeira etapa da viagem, o Rogério está contando tudo no site dele também, com excelentes fotos: https://sites.google.com/site/cartapecuaria2/viagem-ao-norte.
Tinha um pessoal de jipe lá no hotel também, chegaram tarde da noite, vindos de Manaus, pela BR-319. As motos do Jardim e do Rogério tinham ficado no barco, pois não tinha como descarregá-las de madrugada. Fomos lá buscá-las. Descarregamos as motos, é incrível como as descarregam, andando sobre uma estreita e muito resistente tábua. Não dá pra acreditar que  por ali vai passar uma moto que pesa mais de 250 kg, mas passou! Tiramos as tradicionais fotos (eu não levei a minha câmera!), e voltamos para o hotel para decidir o que fazer.
A equipe toda reunida, no "porto" de Humaitá
Nossos amigos passaram grandes dificuldades na travessia da BR-319, na semana passada, e estavam com a moral e o psicológico abalados para continuar pela BR-230, a Transamazônica. Nós sentimos isto logo de cara, quando nos vimos. Além disto, o problema das chuvas que se anteciparam, inviabilizando o trânsito com as grandes e pesadas motos que estamos viajando. Resolvemos assim cancelar o restante da viagem, voltando pelo mesmo caminho que viemos. Ouvimos várias pessoas, muitas nos animaram, muitas nos desanimaram, mas todas tinham a mesma opinião: disseram que se chovesse, não teria como andar. Teria que parar a moto, e esperar secar, pelo menos 2 ou 3 horas. Mas como faríamos isto, no meio da Amazônia, sem lugar pra ficar, sem estrutura alguma? O problema maior então foram as chuvas que começaram antes da hora. A estrada está boa, foi toda patrolada, mas continua o problema do barro liso, um verdadeiro sabão. E com uma moto pesada com a BMW R1200GS Adventure, simplesmente inviabiliza a viagem, se vier a acontecer alguns tombos. Teríamos que parar a viagem a toda hora. Todos temos os nossos compromissos profissionais, e temos data marcada para terminar a viagem. Por isso tomamos a decisão mais difícil e com o coração apertado, abastecemos as motos, e começamos a voltar para Porto Velho! Nem sempre conseguimos realizar alguns sonhos, e este fica adiado para a próxima estação seca. Que me desculpem os amigos! Abraços a todos!
O amigo Rogério e a sua GS bastante suja...

O Jardim, nosso guia e guru
Todos na balsa. À esquerda não sei quem é!


4 comentários:

  1. Rapaz!!então vou ter que passar denovo na 319 antes que eles acabem com ela!!!kkkkkkkkkkk
    Boa viagem Marcio!!

    ResponderExcluir
  2. vcs sao tudo uns bando de viado, se comem na estrada , principalmente esse carequinha de barbinha

    ResponderExcluir
  3. Parabens amigos pela viagem passei br 319 em junho 2011 sou sumare proximo a campinas, conheci Papa Leguas na toca da ararara em Porto Velho gente fina,no Acre conheci Paulo, pessoa sem igual ser humano notavel.
    segue meu saite,
    Deus abencoe voces
    antonio.schneidera@hotmail.com
    http://www.cavaleirosdoreimotogrupo.com/

    ResponderExcluir
  4. boa noite pessoal....to querendo fazer essa travessia no final de fevereiro para inicio de março....mas to com uma duvida cruel....qual o melhor tipo de moto para o local....tenho uma super 1200 mas to achando que para essa travessia ela vai me dar muito trabalho porque é muito pesada....to tendendo a arrumar uma xt 660 pra essa viagem ...pois deverei estar sozinho, ela é bem mais leve.....podem me mandar email ssgab@ig.com.br

    ResponderExcluir

Olá! Faça aqui o seu comentário!

Quem sou eu

Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brazil
49 anos, casado, zootecnista, empresário e motociclista.